I Encontro LDG: Carlos D´Andrea

Saiba mais sobre o pesquisador que virá conversar conosco sobre letramento digital e matrizes de habilidades

 Carlos d’Andréa é jornalista graduado pela UFMG, doutor em Linguística Aplicada pelo PosLin/UFMG (linha Linguagem e Tecnologia), mestre em Ciência da Informação pela ECI/UFMG e especialista em Gestão Estratégica da Informação. Desde 2008, é professor adjunto do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Viçosa (UFV), onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa, extensão e administrativas. Em 2012, é bolsista do Programa da Funarbe de Apoio à Pesquisa para Jovens Docentes Pesquisadores (Funarpeq). É membro do grupo de pesquisa Comunicação, Linguagens e Tecnologias (UFV) e Letramentos, processos discursivos e tecnologias (CEFET/MG). Participa da Rede de Pesquisa Aplicada Jornalismo e Tecnologias Digitais (JorTec) da Associação de Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPjor). Em Belo Horizonte, lecionou e coordenou cursos de graduação e pós-graduação na área de Comunicação e implementou e coordenou sites e projetos multimídia nas áreas cultural, jornalística e institucional.

 

I Encontro LDG: Ana Elisa Ribeiro

Saiba mais sobre a pesquisadora que virá conversar conosco sobre letramento digital e matrizes de habilidades

 

Ana Elisa Ribeiro é doutora em Linguística Aplicada e pós-doutora em Comunicação. Atua na graduação em Letras (Tecnologias da Edição) e no mestrado em Estudos de Linguagens do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). É autora do livro Novas tecnologias para ler e escrever, pela editora RHJ (o livro será lançado aqui, durante o evento). Ana Elisa Ribeiro tem pesquisado sempre questões que envolvem a leitura e as tecnologias editoriais.

No nosso encontro, Ana Elisa irá ministrar a palestra “O que uma matriz quer saber sobre letramento digital?”. A pesquisadora vai falar sobre as avaliações em larga escala, e da forma como suas matrizes de referência abordam (ou não) habilidades de um letramento digital.

Essa discussão será essencial para discutirmos formas de integrar as tecnologias digitais na sala de aula, de maneira sistemática, organizada e pautada em objetivos concretos de aprendizagem.

Oficina sobre redes sociais e educação começa dia 15 de setembro

A segunda oficina do projeto, “Integração do conhecimento via redes sociais”, será oferecida nos dias 15 e 22 de setembro, e no dia 06 de outubro. Serão três encontros presenciais e mais atividades on-line entre as semanas.

Nessa oficina, os professores terão a oportunidade de discutir formas de dinamizar o ensino e a informação através das redes sociais, e discutir também a importância do uso das tecnologias de informação e comunicação (TICs) no ambiente escolar, para promover a melhoria da qualidade do ensino.

O professor da oficina, Daniel Araújo (UNIPAC-Contagem) preparou atividades para que os professores possam criar e propor estratégias  para criação, manutenção e administração de perfis nas principais plataformas das redes sociais: Blog, Facebook, Orkut, Twitter e Youtube.

São 25 vagas para professores das escolas credenciadas. As inscrições serão feitas na própria escola, pelos bolsistas do projeto. As visitas já estão sendo agendadas com a direção da escola e devem acontecer até o dia 10 de setembro.

Caso não sejam preenchidas todas as vagas, professores de outras escolas também poderão se inscrever, na fanpage do projeto no Facebook. Curta nossa página e fique ligado!

 

Oficinas começam neste sábado dia 18

Neste sábado, dia 18 de agosto, terá início a primeira oficina do projeto – Office para professor. Esse curso será ministrado nos dias 18 e 25 de agosto e 01 de setembro. Assim como as outras oficinas, serão 12 horas de atividades presenciais e 13 de atividades a distância, desenvolvidas nos intervalos entre cada encontro presencial.

Essa primeira oficina tem como objetivo apresentar aos professores funcionalidades específicas de alguns programas básicos, como editores de texto e de apresentações multimídia. Nas atividades do curso, os professores também serão estimulados a realizar certas ações básicas da internet, como buscar informações, procurar por imagens, salvar informações no computador, entre outros.

O professor deverá desenvolver habilidades que possam auxiliá-lo na preparação de suas aulas, na elaboração de suas provas e na confecção de material didático de qualidade.

Todas as oficinas são gratuitas. São vinte e cinco vagas, distribuídas entre os professores das seis escolas atendidas pelo projeto. As inscrições estão sendo feitas na própria escola, através de um formulário específico. Para receber o certificado, o professo inscrito deve cumprir um mínimo de 70% das atividades (tanto presenciais quanto on-line).

Encontro reunirá pesquisadores e professores para discutir experiências de letramento digital

Em setembro, nos dias 26, 27 e 28, as cidades de Mariana e Ouro Preto receberão o I Encontro Local, Digital, Global: letramentos dentro e fora da escola. Neste evento, pesquisadores e professores de educação básica discutirão experiências de letramento digital, realizadas dentro e fora da escola.

O objetivo do evento é trazer à baila discussões atuais sobre possibilidades pedagógicas mediadas pelas tecnologias digitais, para, dessa forma, buscar alternativas de ensino e de aprendizagem.

Desde a década de noventa, diversos investimentos foram feitos para equipar as escolas (tanto as públicas quanto as particulares) com as chamadas TIC (tecnologias da informação e comunicação), ou TDIC (tecnologias digitais de informação e comunicação). Outra parcela menor de investimentos foi direcionada para a capacitação de parte do corpo docente das escolas, para que pudessem usufruir desse aparato tecnológico a favor da aprendizagem dos alunos e de melhores índices nas avaliações, mas ainda há muito o que ser feito. Principalmente, porque muitos desses equipamentos estão parados nas escolas. Sem apoio e acompanhamento, muitos projetos foram interrompidos, ou muitas vezes nem mesmo foram iniciados.

Visitando as seis escolas atendidas pelo projeto, foi possível perceber como são ricas e legítimas as demandas por novas possibilidades de ensino e de aprendizagem. Encontramos professores, pedagogos e diretores dedicados, interessados, com muitas ideias e projetos interessantes. Mas também encontramos computadores encaixotados, com pequenos defeitos e parados por falta de manutenção. Essa é uma equação complicada.

Parte das ações do projeto LOCAL, DIGITAL, GLOBAL busca solucionar as variáveis dessa equação ligadas à infraestrutura de trabalho dos professores. Quatro escolas do projeto já receberam conexão com a internet via GESAC, através da Secretaria de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações. Também estamos buscando alternativas, junto à Secretaria Municipal de Educação e outros parceiros, para que as escolas possam contar com uma infraestrutura mínima de trabalho.

Mas nossa proposta vai além de investimento em máquinas e ferramentas: o foco do projeto está concentrado na formação do professor e no trabalho em rede, compartilhado e colaborativo.

É nesse sentido que estamos trabalhando. Pretendemos fortalecer as ações pedagógicas das escolas e amplificar os projetos desenvolvidos na comunidade escolar. Investimos em oficinas presenciais, no atendimento personalizado dos bolsistas nas escolas e no desenvolvimento de um ambiente virtual de troca de experiências pedagógicas.

O encontro em setembro também foi concebido para atender a essa grande demanda por novas possibilidades de atuação dos professores e da comunidade escolar. As palestras, proferidas por especialistas de peso na área de educação e tecnologias, serão direcionadas aos professores de todos os níveis de ensino e das mais diversas disciplinas. Serão pontuadas questões práticas, ações de sucesso e propostas possíveis de serem realizadas nas comunidades onde o projeto atual. Nas rodadas de relatos, professores, estudantes e pesquisadores irão compartilhar suas experiências, suas expectativas e práticas de sucesso.

Esse será, portanto, um evento focado na força que o trabalho em rede, compartilhado e colaborativo pode trazer para práticas pedagógicas que realmente explorem o potencial das tecnologias digitais na educação.

Local, Digital, Global – Um mergulho na cultura digital

O projeto Local, Digital, Global – mergulho na cultura digital prevê oficinas de curta duração sobre cultura digital para professores de educação básica da rede pública de ensino de Mariana, atuantes em seis distritos: Bandeirantes, Cachoeira do Brumado, Furquim, Águas Claras, Passagem de Mariana e Santa Rita Durão. Serão 25 atendidos em cada uma das oficinas. Essas oficinas serão oferecidas por especialistas e acompanhadas por doze alunos de cursos de graduação do IFMG, contemplados com bolsas de extensão. As oficinas terão foco em práticas possíveis mediadas por tecnologia digital, e não no aprendizado de técnicas descontextualizadas e não-integradas. Conhecendo os limites e possibilidades das tecnologias digitais, compreendendo a dinâmica da cultura digital e sua abrangência, os professores terão oportunidade de reinterpretar prática docente e qualidade de vida. Serão no total 9 (nove) oficinas com duração de 20h/a cada, divididas em 12h presenciais (três sábados) e 8h à distância. Esses encontros abrangerão temas diversos, como patrimônio e memória, fotografia e imagens digitais, rádio e podcast, interfaces digitais, entre outros. Os bolsistas atuarão como monitores do projeto, atendendo às escolas e a seus professores em demandas como orientação sobre manutenção e suporte de computadores, participação nas oficinas, realização das atividades on-line, entre outros.

O projeto prevê também a criação de um ambiente virtual colaborativo para divulgação e troca de seqüência didáticas geradas para e nos cursos (Wikidificador). Esses planos de aula formarão um banco aberto, colaborativo e dinâmico, que todos os professores poderão consultar e utilizar para desenvolver atividades com seus alunos. Além de consultados, os planos de aula também poderão ser comentados, alterados, personalizados, de acordo com cada contexto, cada realidade escolar.

Uma terceira ação do projeto Local, Digital, Global é a promoção de um seminário acadêmico sobre o tema. Serão três dias de palestras e jornada de relatos. Todo o evento será gratuito e aberto aos professores e estudantes de licenciatura de Mariana e região.

O objetivo do projeto é promover a imersão dos professores na cultura digital e desenvolver o letramento digital desses docentes, para que eles possam utilizar desses conhecimentos e habilidades em sua prática pedagógica.

Voltar ao topo